Partilhar
brand plus

Forno elétrico

O forno é um dos equipamentos com maior presença nas cozinhas portuguesas, de acordo com Inquérito ao Consumo de Energia no Sector Doméstico 2010 (“ICESD 2010”), realizado pela Direção Geral de Energia e Geologia, encontra-se em 65,5% dos alojamentos portugueses, e sendo um dos equipamentos utilizados maioritariamente para confecionar as refeições, com utilização periódica, sendo, por isso, a sua eficiência energética da maior importância.

Como reduzir o consumo energético associado à utilização do forno?

O funcionamento do forno elétrico baseia-se no aquecimento de uma ou mais resistências, permitindo uma confeção uniforme dos alimentos podendo dispor (ou não) de um sistema de ventilação que garante uma distribuição mais uniforme do calor.

Ao adquirir um forno elétrico deve ter em consideração os seguintes pontos:

  • Avalie o espaço interno, pense no que gostaria de preparar no forno elétrico e verifique se o modelo que está a ponderar adquirir tem as dimensões necessárias para o efeito pretendido;
  • Existe uma maior variedade de tamanhos, permitindo-lhe um maior aproveitamento do espaço na cozinha;
  • Um forno elétrico permite ao utilizador um controlo mais fino da temperatura de confeção dos alimentos do que um forno a gás, podendo dispor de temporizador que permita ligar e desligar o equipamento de forma diferida;
  • Um forno elétrico pode dispor da funcionalidade de autolimpeza através aquecimento do forno a uma temperatura elevada para que os resíduos sejam destruídos;
  • Este equipamento reduz a necessidade de utilização do gás na sua casa;
  • Um forno elétrico permite tempos de confeção dos alimentos mais curtos.

Forno antigo

Um forno elétrico médio de classe D, devido à sua baixa eficiência, apresenta um consumo anual de 876 kWh, representando um custo anual de 162€.

Forno A+

Um forno elétrico com características semelhantes de classe A+, representa um investimento a partir dos 250€ e um custo anual de 73€.

Poupança

Ao substituir o seu forno elétrico antigo por um classe A+ poderá obter reduções anuais nos custos energéticos na ordem dos 89€.

Outras dicas
  1. Não abra o forno desnecessariamente, pois cada vez que o faz está a perder, no mínimo, 20% da energia acumulada no seu interior;
  2. Procure aproveitar ao máximo a capacidade do forno e cozinhe, se possível, o maior número de alimentos;
  3. Normalmente não é necessário pré-aquecer o forno para cozinhados com duração superior a 1 hora;
  4. Desligue o forno um pouco antes de acabar de cozinhar: o calor residual será suficiente para acabar o processo;
  5. Os fornos com ventilação interna favorecem a distribuição uniforme de calor, poupam tempo e, portanto, gastam menos energia;
  6. Os recipientes de cerâmica ou vidro retêm melhor o calor, permitindo reduzir a temperatura do forno e diminuir o consumo de energia.
Etiqueta Energética

A etiqueta energética dos fornos domésticos (Regulamento Delegado (UE) N.º 65/2014) abrange quer fornos elétricos, quer a gás e aplica-se tanto aos fornos isolados como aos integrados em fogões, excluindo os aparelhos que têm função de aquecimento por micro-ondas.

O consumo energético é medido para um ciclo normalizado, num modo convencional e num modo de ventilação forçada, sendo considerado o menor consumo de entre os dois para o cálculo da classe de eficiência energética.

Como ler a etiqueta energética:

Etiqueta Forno Elétrico
  1. Nome do fornecedor ou marca comercial
  2. Modelo do fornecedor
  3. Classe de eficiência energética
  4. Consumo de energia anual em kWh
  5. Consumo de água anual em litros
  6. Classe de eficiência de secagem
  7. Capacidade em serviços de loiça
  8. Emissão de ruído em dB